sábado, 20 de setembro de 2014

Em Araguari campanha combate Hanseníase, Geo-helmintíase e Tracoma

O Município de Araguari está participando da Campanha Nacional de Hanseníase, Geo-helmintíase e Tracoma, lançada pelo Ministério da Saúde em agosto de 2014, direcionada a estudantes de 5 a 14 anos, como estratégia de enfrentamento destas doenças consideradas negligenciadas pela sociedade e até mesmo pelos profissionais de saúde.

Campanha será concentrada em escolas que não participaram no ano passado - Foto: Divulgação

De acordo com a secretária de Saúde, Lucélia Aparecida Vieira Rodrigues, o objetivo é eliminar a hanseníase como problema de saúde pública (menos de um doente por 10 mil habitantes), acabar com o Tracoma como causa de cegueira e reduzir drasticamente a carga de Geo-helmintíase (verminose).

A secretária informou que inicialmente as escolas são visitadas por profissionais de saúde das unidades, onde propõem uma reunião com pais e professores explicando sobre a campanha, seus objetivos e os tratamentos que poderão ser instituídos. “Com relação à Hanseníase, os pais recebem uma ficha de autoimagem para buscarem nos filhos algum tipo de mancha no corpo. Esta ficha é devolvida na escola e os alunos que tiverem a ficha positiva para mancha serão avaliados por um profissional médico para descartar a doença ou, se for o caso, serem tratados para combate à verminose”, contou Lucélia Rodrigues.

Quanto ao tracoma, os alunos menores de 10 anos são avaliados por profissionais médicos que foram capacitados para realizar exame oftalmológico externo com lupa, buscando na pálpebra sinais sugestivos da doença. “Se a avaliação for positiva os alunos e contatos domiciliares receberão o tratamento para tracoma, que é realizado em dose única do antibiótico Azitromicina,” relatou. 

O Tracoma é uma doença inflamatória crônica ocular que produz cicatrizes na membrana da pálpebra, causada por infecção provocada pela bactéria Clamidia trachomatis. As crianças menores de 10 anos são o principal reservatório desta bactéria.

A campanha está direcionada para escolas que não participaram no ano passado. São elas: Centro Educacional Municipal (CEM) Maria de Fátima Oliveira Morais, na área de abrangência da Estratégia Saúde da Família I, II e III, que conta com 529 alunos. A Escola Estadual Katy Belém, no Bairro Paraíso, com 498 alunos. CEM Ondina Moutinho Vieira, no Bairro Gutierrez, com 120 alunos. E, Escola Estadual Dona Eleonora Pierucceti, no Bairro Amorim, que tem 628 alunos. No Bairro Independência, o CAIC Doutor Arcino Santos Laureano participa com 273 alunos. Nos Distrito de Piracaíba, o CEM Ozório Vieira Carrijo participa a campanha. 

A secretária explica que a campanha não é uma ação isolada. “Após a campanha os alunos diagnosticados continuarão em acompanhamento por três anos. Todos os resultados da campanha serão inseridos o sistema de informação do SUS (Sistema Único de Saúde) e encaminhados ao Ministério da Saúde”, concluiu Lucélia Rodrigues.

Enivaldo Silva | Comunicação PMA